Sunday blues

27-07-2014 22:35

Esta coisa do peso é mesmo uma paranoia coletiva do ser humano, um pouco mais ainda para o sexo feminino.

 Até há cerca de cinco anos atrás ela lidava com esta situação naquela base do “tenho que ter cuidado”, “devia fazer qualquer coisa para perder uns quilitos”… Uma gravidez, circunstâncias várias da vida, um certo descuido, despreocupação pela aparência, falta de tempo, de vontade, et caetera, fizeram com que ganhasse peso desnecessário e não desejado.

O clique deu-se quando tinha que dar, alterou hábitos e iniciou uma prazerosa vida saudável, que lhe trouxe alegrias renovadas e um incremento de auto estima e segurança. O exercício ganhou lugar de destaque nos seus dias, aventurou-se em atividades que antes desconhecida e derreteu cerca de vinte quilos que não lhe faziam falta nenhuma. A prática do exercício diário, aliado a cuidado e regras na alimentação, tornaram-se um prazer, não uma obsessão como alguns apelidaram. Sim, ela gosta mesmo das aulas de grupo, do esforço cardíaco, de se ultrapassar.

E pronto, inesperadamente lá vem a amiga espessada contrariar aqui um pouco a situação. A Sra. dona artéria da perna direita não quer saltar, não gosta de impactos e faz questão de doer até nas caminhadas. Ela fará exercício sim, adaptado à nova situação, e naturalmente alguma alteração de peso ou volume terá, a intensidade vai necessariamente ser outra. Mas a perspetiva mudou, vai mudando um pouco. Agora tem que conviver com a amiga nova, mesmo que isto implique uns quilitos a mais… Enfim, hoje ela refletiu nisto e sentiu saudades do Sh’bam, Body Vive e nomes deste género que arrancam sorrisos a quem não os conhece!