São Pedro, ou a bipolaridade humana!

07-08-2018 15:05

    Com os anos e as preocupações me(n)teorológicas Pedro foi alternando entre a bipolaridade e uma “normalidade” anormalmente normalizada. O casamento com a Clima Tologia estava cada vez mais estranho, ora quente como um vento do Sudão, ora gélido como os bafos polares, ocasionalmente regado com litros e litros de lágrimas, oscilantes entre a birra dos aguaceiros ou a intensidade da fúria mútua.

    Aos poucos, num percorrer de séculos, que para si, casal, pareciam dias, e por influências humanoides externas, a rotina do ano dividido em quatro estações deliciosas, com encantos e delícias próprias foi-se transformando numa espécie de massa informe onde a prima deixava de ser Vera, o Verão perdia o sol, o Inverno amenizava e o Outono perdia terreno.

    Lá por casa, lá em cima, a palavra de ordem era a adaptação, a tentativa de lidar com as mudanças impostas, trazidas também pelo nascimento do Ozono, miúdo reguila e imberbe, dado a espalhar construções de buracos onde não devia.

    Algures abaixo, bem abaixo desta morada extrema e “celêustico-diabólica”, os humanos, os tais que desregradamente abusaram, durante evos, das boas graças do casamento supra citado, iam da euforia à depressão num mesmo dia, numa mesma hora. Ora discutiam bravamente no trânsito, ora derretiam pelos bancos das cidades escaldantes. Os arrogantes acirravam o travo, cada vez mais donos de si, vendo os outros como meros peões da sua própria vida e agindo como se as pecinhas do xadrez tivessem que se mover a um olhar seu. Os outros… os outros por ali andavam, tentando sobreviver às condições extremas impostas pelos vizinhos lá de cima, fazendo por passar despercebidos, por serem só, existirem, sem obedecer a quem levianamente se considerava melhor que todos, os que primeiro de evidenciavam…

    No meio do caos a vida por lá seguia, os humanos viviam, sobreviviam, existiam e destruíam-se uns aos outros, mesmo que não literalmente, sem tal assumirem… afinal, nunca bem entenderam que a responsabilidade de toda a situação era sua. E como em tudo, para resolver, minimizar quiçá, um dado problema, tem que se reconhecer que ele existe, assumi-lo… Se de tal se for capaz!

    Pedro e Clima? Esses andam em terapia conjugal... a ver vamos como a situação evolui!