O tudo e o nada que nos é garantido...

03-10-2018 09:10

    Tomamos tudo por garantido.

    Amanhã acordamos, cedo e sem vontade, mas o emprego está lá, vamos ver as pessoas habituais, fazer as mesmas atividades dos outros dias, ou similares, beber café à mesma hora, almoçar no mesmo local, et caetera.

    E um dia, num segundo, tudo pode mudar. Deixamos de ver alguém no trabalho, mudou de emprego, adoeceu, ou nem sabemos o porquê se for um elemento fora das nossas pessoas, das que nos movem. E nem bem nisso pensamos, em quem nos diz algo, quem nos toca, porque não há tempo, a ampulheta escorre e as intenções vão ficando ali, no limbo das atitudes. Amanhã ligo, um dia destes bebemos café, vamos combinar um jantar, temos que nos ver…

    Sim, gostamos de pessoas, das nossas, das menos nossas também, por vezes, em graus diferentes, como se impõe… Mas não o dizemos, não o mostramos, seja lá porque razões justificada e humanamente falíveis forem. Adiamos, procrastinamos tudo, desde tratar de papéis passando por tarefas domésticas e terminando na expressão de sentimentos…

    E se amanhã não estiver lá quem queremos? Se não conhecermos os locais onde estamos? Se nada for igual ao garantido? Se o garantido deixar de existir porque nós já lá não estamos?

    Ela não tem receitas de nada… Não questiona a vida com regularidade, talvez o devesse fazer, como todos nós, sem alarmismos, mas com firmeza e certezas do que se quer… Mas hoje, de alguns dias para cá, pondera, muito. E lá vem a mania de opinar. E opinando, considera que se calhar devíamos amar com palavras e atitudes diárias, fazer sentir o que sentimos a quem queremos, dizer bom dia com alegria, sorrir, ser amável, ser bons… É que nunca sabemos o que acontece para a semana, no próximo fim de semana, amanhã, daqui a cinco segundos. E depois já não dá tempo! E mesmo que esse tempo exista, aproveitemo-lo, façamos aquilo que nos deixa feliz, com quem somos felizes, tendo sempre a noção de que tudo isso também acarreta responsabilidades e deveres.

    Enfim, era tão bom que o bom fosse imutável nas nossas vidas… enquanto o é disfrutemos dele… amanhã pode já ser tarde e a vida é sempre melhor com afetos, com as nossas pessoas…