Mãe versus professora... ou nem por isso!

22-10-2014 15:16

    Ela é professora. Ela é mãe. Estes dois estatutos misturam-se no seu dia a dia, enrolam-se como hera em tronco fértil para tal.

    Como mãe tem por vezes que “contar até 10” (na verdade até 100) para não falar ao filho como se fosse seu aluno. A relação deles é outra, tem necessariamente que o ser, ainda que incluindo esta faceta também. E ele sente-o, reclama-o, com todo o direito.

    Como professora tem que recordar constantemente que aqueles meninos “não são seus”: não é ela que lhes estipula horas de deitar; que decide se têm ou não o bem mais necessário a qualquer jovem de 10 anos (ou mais, ou menos): o insubstituível telemóvel (que na sua opinião devia ficar mesmo era em casa, ou pura e simplesmente não lhes ser dado); se recebem gratificação por uma boa nota ou penalização por uma má; que… que… e que…!

    Aquilo que verdadeiramente a incomoda e deixa banzada é ver que há pais, mães, encarregados de educação, que chegam aquela fase de afirmar: não sei o que fazer dele/a!

    A escola não se pode permutar à orientação parental das crianças. Nem a família pode formar, sozinha, culturalmente e cabalmente os seus alunos. Há papeis que se interligam na formação da “pessoa humana” (como disse há uns tempos um dos seus alunos), mas há outros que são distintos. Em conversa com colegas, diretores de turma, nas interações de pais e filhos no supermercado, no café, percebemos cada vez mais isto: crianças que “tudo podem”, a quem pouco é negado, pais que muito trabalham e pouco tempo têm para contrariar isto. E aqueles que pura e simplesmente consideram estar a agir corretamente.

    Quem é ela para falar do que é certo ou errado? Faz o que a sua consciência determina, e aquilo para que foi preparada nos muitos anos de estudo que enfrentou, como profissional e como mãe! Mas no dia em que pensar que “não pode fazer mais nada”, pelos alunos, ou pelo filho, é porque ela falhou algures no processo. Eles não se criam, não se fazem, independentemente das personalidades com que nascem! Nós moldamo-los! Pensemos melhor ao fazê-lo!!!