Escola e pais!

19-05-2015 17:52

    Estamos no final do ano letivo. Ela é diretora de turma, de um ano que tem provas finais de ciclo. Hoje é o seu dia de atendimento semanal aos Encarregados de Educação e, enquanto folheava a pasta da turma para verificar a documentação que dele consta, verificou a quantidade de pais que, ao longo de todo o ano, desde setembro, nunca se deslocaram à escola. Até vieram, eventualmente, buscar a folha de avaliação no final de cada período, mas conversar com a diretora de turma, pessoalmente, sobre os seus filhos, vários não o fizeram.

    As razões de cada um são isso mesmo, as razões de cada um… não tenho tempo, estou a trabalhar a essa hora, “não me dá jeito”! A hora de atendimento é fixa, semanal. Será que em tantas semanas que o ano letivo tem “nunca deu jeito”? Não quer dizer que seja uma turma complicada, com casos de indisciplina ou muito maus resultados, e ela até entende que não se possa vir à escola com regularidade. No entanto, existe também o contacto telefónico, o e-mail… O primeiro nunca usado e quanto ao segundo apenas uma mãe, por duas vezes, encetou diálogo com a diretora de turma, sobre assuntos relacionados com a sua educanda. E quando é a escola a convocar, por alguma razão que considera necessária, os encarregados de educação, sejam eles pais ou avós, ou qualquer outro parentesco, nem sempre comparecem. As entidades patronais são, por lei, obrigadas a dispensar os seus trabalhadores para tratarem de assuntos relacionados com os seus filhos. Os meios de comunicação até se modernizaram e usamos o que é mais rápido e expedito para comunicar com os pais. E, ainda assim, há caras que ela desconhece. Se um telemóvel fosse confiscado, ou algo de muito aviltante, no entender dos pais, que nem sempre é o entender da escola, sucedesse aos meninos, nesse mesmo dia, antes da diretora de turma saber o que se passava, já estaria cá alguém a pedir esclarecimentos.

    Então e o desempenho deles? A atitude que revelam nas aulas e mesmo no recreio? A forma como lidam com docentes, colegas, funcionários, etc? Há alguns encarregados de educação que nem comparecem a reuniões que pretendem esclarecê-los sobre situações de stress para os seus filhos, como o são as provas finais, que muitos conhecem como exames.

    Parece, parece-lhe a ela, que vir à escola, falar com quem passa o dia com eles, mais horas do que nós pais conseguimos fazer, seria bom. Seria mostrar-lhes que nos preocupamos, que os responsabilizamos, que queremos saber… E eles até sabem isso! Ou será que sabem?