By night...

06-09-2014 00:13

    Estirada na tribuna altaneira observa o mundo lá fora.

    A cidade bamboleia na noite, bolinhas amarelas de luz passeiam-se pelos rasgos lineares de macadame tracejado de alvo. Vislumbra pontinhos verdes fluorescentes que correm diletantemente pelo passeio adjacente ao rio, negro e espelhado, e bicicletas que passam velozmente por transeuntes despreocupados.

    Ao longe faz-se ouvir uma melodia irreconhecível, acompanhada de uma voz persistente e indefinida. Subitamente passa uma motorizada e o seu rasto eterniza-se na ingreme subida da rua onde mora.

    Observa demoradamente o castelo, belo, magnificamente iluminado e de carater perene e singular. Imagina princesas e príncipes a enamorar-se adentro das suas ameias., cortesãos indulgentemente a festejar a vida, um mundo de flores e sons medievais.

    Na TV um qualquer programa de procura de talentos corta a noite com gritos estridentes e desfoca-a da observação. A cidade, essa, ai está, imperturbável e indiferente a quem tenta os cinco minutos de fama no cabo. Tranquila e palpitante de vida, manto negro bordado a oiro e prata, convida ao descanso e introspeção… Pelo menos até ao vizinho de cima se recordar de regar as plantas, deixando que o líquido escorra alegremente pelas grades da varanda… Hora de recolher. Até amanhã metrópole!